Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/05/17 às 19h55 - Atualizado em 8/11/18 às 16h45

SEDES vai coordenar ações contra comércio irregular

COMPARTILHAR

Objetivo é incentivar a regularização

André Giusti

A Secretaria de Economia e Desenvolvimento Sustentável vai coordenar operações de combate ao comércio irregular no Distrito Federal. Nesta segunda-feira (29), representantes de diversos órgãos que atuam contra o comércio informal se reuniram com o subsecretário de Relação com o Setor Produtivo, Márcio Faria Júnior, para selar a unificação dos esforços de cada entidade. A subsecretaria vai reunir não apenas as ações, mas também as demandas de comerciantes que se sentem prejudicados pela economia informal.

Combater o comércio irregular e atrair o comerciante para formalização é um dos compromissos firmados pelo Governo de Brasília para retomar o desenvolvimento econômico, gerando emprego e renda, mas também ajudar no combate à criminalidade crescente em todo DF. Empresários presentes à reunião elogiaram a iniciativa dizendo que a presença do estado não apenas inibe a ilegalidade, como também traz a sensação de segurança ao consumidor. Citaram como exemplo o Setor Comercial Sul, ponto de atuação permanente dos órgãos que estarão sob coordenação da SEDES.

“Essa atuação afastou não apenas os comerciantes ilegais, como também a criminalidade no local, onde há mais de um ano não há homicídios”, afirmou Cléber Pires, Presidente da Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF).

Dessa forma, estarão sob responsabilidade da SEDES ações que serão executadas pela Agefiz, Vigilância Sanitária, Polícias Militar e Civil e Detran. Esses órgãos terão atuação conjunta e coordenada, e não mais cada um agindo de maneira isolada em sua área de atuação. Segundo Márcio Faria, a ideia não é apenas impedir o comércio informal de funcionar, mas também atrair para a regularização o comerciante que trabalha sem formalização. “Dessa forma, ele deixa de gerar receita para o estado e prejudica os donos de estabelecimentos legalizados”, completou.